Em 2016, o então editor da Total Guitar Stuart Williams visitou Eddie Van Halen em seus 5150 estúdios para falar sobre sua marca EVH e sua história pioneira como guitarrista e criador de timbres. Foi uma rara chance de se sentar com um dos guitarristas mais importantes de todos os tempos e ele encontrou um ícone que era afável, humilde e feliz em refletir sobre seu legado.

“Eddie Van Halen é a estrela da capa que toda revista de guitarra quer”, diz Stuart, “um pioneiro que mudou a maneira como abordamos praticamente todos os aspectos do instrumento. Do timbre à técnica e do equipamento que usamos para fazê-lo. Desde Jimi Hendrix não houve um herói da guitarra que revolucionou o instrumento em tantas áreas, e o mais importante, ele fez isso através de canções em vez de composições técnicas inacessíveis para um público de nicho.

“Em 2016, a Total Guitar teve a oportunidade de realizar essa entrevista de capa através da empresa de guitarra de Eddie, a EVH. Os instrumentos são construídos e distribuídos pela Fender, mas é muito mais do que um logotipo em um headstock. Esta é a empresa do Eddie, e ele colocou a mão em todas as decisões e projetos importantes.

“A entrevista foi confirmada para acontecer no estúdio 5150 que fica ao lado da casa de Eddie. Há muitos colaboradores da TG que foram (e ainda são) mais qualificados para entrevistar Eddie Van Halen antes de mim, mas como fui solicitado pela EVH, tinha que ser o editor.

“Me recordando sobre o dia da entrevista. Eu estava acompanhado por Helen Varley da Fender/EVH e Matt Brown da EVH, indo para a casa/estúdio de Eddie. Meses de planejamento para os próximos 60 minutos. A Fender aprovou as minhas perguntas, e eu estava nervoso!

Veja, há muitos contos e relatos sobre Eddie Van Halen, com relação a sua franqueza em sua entrevistas e com relação ao entrevistador. Em minha cabeça havia muita coisa para dar errado.

“Dentro do carro fora dos portões, e ainda me lembro do medo.” E se eu disser algo que o deixa com raiva?’, ‘E se o gravador quebrar? E se o gravador de reposição quebrar? E se os dois gravadores quebrarem e meu telefone ficar sem memória?’. Então notei a placa que dizia ‘Propriedade Privada: Segurança Armada”.

Os portões se abriram e entramos no estúdio. Lá esperamos na área do salão, as paredes forradas com guitarras exclusivas. Em seguida, um pequeno cão lulu da pomerânia veio correndo, seguido pela esposa de Eddie, Janie. Alguns momentos depois, entra Eddie Van Halen.

“Pessoas como Eddie Van Halen não entram. Eles existem em capas de álbuns e pôsteres e telas gigantes em shows. São indeléveis, entidades divinas, não caras que apertam sua mão e pegam o cachorro deles. “Ele acabou de fazer sua primeira capa de revista… (sobre seu cachorro) ele vai estar na capa da GQ com George Clooney” Ed nos disse com orgulho. É claro! Você é Eddie Van Halen! Por que isso pareceria incomum?

“A entrevista passou muito rápido, e o medo desapareceu assim que Eddie começou a ficar mais descontraído. Entre me perguntar sobre Gales e lembrar de tocar em Cardiff, contar como Floyd Rose lhe trouxe protótipos de seu vibrato para testes, Ed graciosamente respondeu perguntas sobre aquela guitarra, aquele amplificador, aquela técnica e muito mais.

Para demonstrar algumas de suas técnicas, Eddie pegou uma Wolfgang da parede e começou a tocar partes de Eruption. Em seguida, explicou que muitas pessoas estão complicando demais suas partes de guitarra (aparentemente Slash toca Ain’t Talkin’ ‘Bout Love de forma errada”).

“Antes que eu percebesse, nosso tempo tinha chegado ao fim. Eddie conversou depois que o gravador parou e me deixou com um senso esmagador de sua humildade. Fui perguntado: “Então, o que mais vocês estão fazendo aqui?”. “Nada! Viemos falar com você! Eu disse a ele. Ele estava genuinamente espantado. Aqui estava eu, o editor da revista britânica de guitarra que teve acesso a um dos maiores guitarristas da história e ele não podia acreditar ou compreender que tínhamos feito uma viagem a Los Angeles “só para falar comigo”.

Trabalhar para uma revista de guitarra significa que você conhece alguns rockstars, mas posso dizer honestamente que o Eddie Van Halen que conheci não era apenas o maior, mas o mais agradável entrevistado que conheci. RIP, Eddie.

Já se passaram nove anos desde que você começou a marca EVH – como ela surgiu?

“Não parece tanto tempo! Bem, eu comecei com o Music Man, e então eu fui para Peavey, e quando eles pararam, tipo… de fazer o que eu pedi [risos], nós mudamos para Fender. Que é uma grande casa, é uma grande equipe.”

Parece que você está envolvido em cada passo e cada peça de equipamento que sai com seu nome nele.

“Bem, tem que ser. Se vou usá-lo, então tem que ser do meu jeito, entende? Vou me aproximar do Matt, e eu e Matt vamos abordar os engenheiros, “Que tal isso?” e todo mundo fica animado! Geralmente, dependendo da complexidade ou dificuldade da construção, pode levar entre um ano a três anos para se concretizar.”

Também parece que seu nível de envolvimento existe, independentemente do preço, também?

“Bem, a primeira coisa com que começamos foi, obviamente, os modelos flagship/benchmark. Eu queria muito um amplificador versátil de três canais. Isso é o que eu preciso para fazer o meu trabalho. À medida que a marca evoluiu, expandimos nossa linha com alguns modelos mais acessíveis, como o amplificador Lunchbox e a Wolfgang Standard, por exemplo.

“Ouvi ontem que muitos guitarristas estão comprando o gabinete 1×12 porque é o conjunto perfeito, com um preço razoável. Quando eu o toco, eu uso-o com um gabinete 4×12, para um amplificador de 15 watts, ele ainda vai alimentar e obter um grande som, mas eu vou ter que experimentá-lo através de um 1×12 e ver como soa, já que todo mundo parece gostar dessa forma!”

Como foi construir a Frankenstein e fazer isso por necessidade?

“Deixe-me começar no início. Quando comecei a tocar guitarra, estava na loja de música local, que nem era uma loja de música, era como uma Radio Shack que também vendia instrumentos musicais, se chamava Lafayette Music.

“Eu me apaixonei por uma semi-acústica de 12 cordas por causa do braço, e a primeira coisa que fiz foi tirar seis cordas, porque era uma guitarra de 12 cordas, e eu não queria 12! Eles não tinham o que eu queria na loja, então já tinha começado lá!

“Então, eu entregava jornais; Não tínhamos dinheiro e meus pais não podiam nos comprar equipamentos. Então economizei o dinheiro entregando jornal por dois anos e meio a três anos, e comprei minha primeira guitarra 6 cordas de verdade, que foi uma Goldtop Les Paul de 68 com captadores P-90 de bobina única.

“Então, o que eu faço? Eu uso um formão imediatamente! Porque eu queria um captador livre de chiado! Mas em Pasadena, não havia Les Pauls com um humbucker. Havia uma loja no norte de Pasadena, uma Les Paul chegou e eles me chamaram imediatamente ‘Ei, nós temos uma Les Paul!’ Eu entro e digo: “Ah, merda! Não é o tipo que o Clapton toca! Não tinha humbuckers.

“Então, é claro, eu cacei um humbucker, peguei um formão e fiz o buraco maior e enfiei-o lá dentro. Tive a sorte de soldá-lo corretamente, então pintei de preto e adicionei amarração. Eu fiz todo tipo de merda louca com ele.

“O engraçado é que eu só mudei o captador da ponte e deixei o captador p-90 no braço. Desde que minha mão direita estava cobrindo a ponte, quando eu tocava as pessoas estavam falando, ‘Como diabos ele está fazendo esse som com um P-90?!’ Porque era tudo o que podiam ver. Mal sabiam eles que eu tinha enfiado um humbucker lá!

“A partir daí, comprei uma Strato, e o resto dos caras da banda odiavam o jeito que soava! E eu realmente não podia lidar com o chiado, então era apenas um casamento lógico com o humbucker, cruzar uma Gibson com uma Fender. Porque eu amei a alavanca, e isso foi provavelmente a coisa mais difícil; tentando descobrir como manter essa coisa em sintonia. Isso pode demorar um pouco, mas vou tentar explicar…

“Tudo, desde a ponte até as tarraxas tinha que ser perfeitamente reto. A única razão pela qual um tremolo fica desafinado é por causa do atrito. Quando você traz a alavanca para baixo e se o ângulo de corda estiver errado, então ele não vai deslizar de volta para a sua posição original.

“Então, eu fazia coisas como pegar a corda e colocá-la através do buraco da tarraxa e enrolá-la com um ângulo em que ela não vá para baixo , para que não houvesse muita tensão sobre o nut. Eu tinha um nut de latão que eu cortei sulcos maiores, e eu coloquei óleo em tudo para eliminar qualquer atrito que poderia fazer a corda agarrar.

“Outro problema é que a Fender Strato sempre tem as gaivotas no headstock, eu as removi. Mais uma vez, para eliminar qualquer outro fator que faria com que a corda não deslizasse para frente e para trás sem problemas. Como resultado, se eu batesse uma corda aberta muito forte ela escaparia do nut.

   “Então, eu teria que manter meu dedo indicador do outro lado do nut para evitar que as  cordas escapassem! Eu me safava disso nos tempos que tocávamos em pequenos clubes, durante todo o primeiro disco e ao vivo em turnê. Foi assim que usei o tremolo Fender original até as travas de nut aparecerem.

Então, muito disso veio de resolver problemas?

“Sim, muito disso foi por necessidade e apenas erros. Muitos acidentes. Como se a coisa de ter um captador não fosse intencional. Eu só não sabia como ligá-lo de volta para a configuração de 5 posições, era muito complicado!

“Mesmo com o que chamamos de guitarra Shark, a Ibanez Destroyer que eu cortei um pedaço de madeira fora, tem dois captadores nela, mas eu não conseguia descobrir como ligá-los na chave seletora, então eu só liguei direto no potenciômetro e boom! Estou feliz.”

Foto: Fin Costello / Getty

Você sempre foi o tipo de pessoa que estava desmontando as coisas?

“Bem, sim, como eu disse, a primeira coisa que eu fiz [em uma guitarra] foi tirar seis cordas de uma corda de 12 cordas, porque eu não queria 12 cordas. Qualquer coisa só para fazê-lo fazer o que eu queria.

Você acha que as pessoas estão menos inclinadas a mexer com seus equipamentos hoje em dia?

“É totalmente com eles. Se você está feliz com o que você tem então tudo bem, mas se não, então faça algo sobre isso. Eu aplico isso em tudo. Mesmo que haja algo no meu carro que eu não gosto, ou qualquer coisa eu vou mudá-lo, até que eu goste.”

Você acha que o avanço da tecnologia e dos equipamentos matou parte da necessidade de os guitarristas serem imaginativos com seus equipamentos?

“Sim, quero dizer, realmente não havia nenhuma Strato com humbucker disponível até que eu construí uma. Agora é comum, todos os usam agora. Mas mesmo antes de fazer o que fiz, não conhecia ninguém que brincasse com guitarras e amplificadores tanto quanto eu.

“Foi só na primeira entrevista que fiz que tentei explicar como tirei o som do meu Marshall com o Variac (um transformador de tensão variável), exceto que nosso cantor disse: ‘Não diga a verdade, minta!’. Então eu disse a eles que eu aumentei a coisa para 140 volts, em vez de reduzi-la. E, Deus! A nota do editor na revista seguinte era: “Não faça o que Eddie disse!” porque todo mundo estava fritando seus amplificadores!

“A verdadeira razão pela qual eu fiz isso foi que eu tinha o meu Marshall principal, que era muito alto, e iria explodir em tensão total. Então, não só a redução da tensão cuidou do amplificador não explodir, como também me permitiu contê-lo e tocar em qualquer lugar entre 60 a 90 volts dependendo do tamanho do lugar. Tudo estava no máximo no amplificador, e o Variac era o meu botão de volume.

“O que me fez pensar em baixar a tensão foi que comprei outro head Marshall sem perceber que era um modelo europeu. Então eu ligo, e há uma luz piloto muito fraca. Estou esperando e esperando e não há nenhum som saindo! “Caramba, eu fui roubado!”

“Então eu o deixo aquecer, e volto uma ou duas horas depois. Eu peguei minha guitarra e é muito, muito baixo, mas ele estava com o som de tudo no máximo. Então eu percebo ‘Merda! O maldito está setado para 220 volts!

“Então eu tive um “estalo”! Eu me pergunto o que vai acontecer se eu ligar meu amplificador principal através do dimmer das lampadas de casa? Claro, eu estourei todos os fusíveis da casa porque eu liguei errado, mas uma vez que eu descobri, eu fui até uma loja de eletrônicos e perguntei ‘Vocês vendem um tipo de regulador de tensão variável?’ e eles dizem ‘sim, aqui está!’ Chamava-se Variac.

   “Então eu conecto meu amplificador nele e voilá! ‘Caramba, isso é ótimo!’. Mas você sabe, tinha pessoas como Tom Scholtz que usava um redutor de potência. Todos pensavam que eu tinha algo entre o head e o gabinete, mas eu não… foi um acidente muito feliz porque eu comprei um Marshall de 220 volts!

Foto: Kevin Baldes

Seu envolvimento pessoal no desenvolvimento de equipamentos EVH se estende até o menor detalhe, também…

“Bem, nós examinamos cada pedacinho da guitarra para o que eu preciso. Os pots que temos estão garantidos para um milhão de voltas ou algo assim. Eles são de baixo atrito no botão de volume, porque quando eu estou fazendo Catedral ao vivo, os pots normais travariam porque eu estou girando-o muito rápido.

“Depois de duas semanas eles começaram a fazer chiado, então tivemos um monte de empresas diferentes que no fizeram amostras, e finalmente escolhemos uma que faz um personalizado, só para nós. Mas, ao mesmo tempo, o botão de tom é realmente rígido. Você não vai acidentalmente bater nele. Como eu nunca uso, eu gosto dele bem rígido.

Essas guitarras têm seu nome, mas parecem ter sido projetadas para serem versáteis, não apenas para seus fãs?

“Não, não. Foi projetado para qualquer um usar. Há muitos caras do country que amam amplificadores e guitarras EVH. Guitarras EVH fazem tudo o que eu quero e muito mais. São guitarras muito versáteis, assim como os amplificadores.

“É apenas um instrumento muito bem construído, muita atenção aos detalhes, que facilita a tocabilidade para qualquer um. Quantos guitarristas iniciantes você conhece que pararam de tocar porque seus dedos doem?

“Bem, usar cordas mais leves e configurá-la direito! Eu tenho uma guitarra Harmony, uma guitarra iniciante muito barata, e o que eu sempre faço é apenas diminuir a ação até que ela comece a trastejar, então eu recuo um pouco. Não é preciso um neurocirurgião para descobrir isso!

“O que me leva a algo muito engraçado que eu li anos atrás. Mesmo que eu ame o seu playing, e tenho certeza que ele é um cara maravilhoso mesmo que eu nunca o tenha conhecido, eu li algo onde Ritchie Blackmore disse “Eu toco uma Stratocaster porque é mais difícil tocar do que uma Gibson”. E eu disse: “Uau, por que você quer dificultar as coisas para você?”

“Não que seja realmente verdade, quero dizer, você pode configurar uma Strato para tocar fácil, também. Mas eu sempre achei que era um comentário estranho, porque eu sempre fui o oposto. Para mim, quanto mais fácil melhor! É por isso que nosso modelo de entrada (a Wolfgang Standard) é fácil de tocar como o topo de linha Wolfgang.”

Então, você tem uma configuração da benchmark para as guitarras EVH?

“Ah sim! Os caras da linha de montagem fazem a checagem final, e antes que ele vá para a caixa, é melhor que seja configurado direito. E nós fazemos verificações pontuais, e se não esta certo, nós ficamos chateados!

A idéia é basicamente que você deve ser capaz de entrar em uma loja de guitarra, comprar uma e usá-lo naquela noite?

“Sim, exatamente. E você sabe, quando eu digo em um anúncio, “Isto é o que eu uso” eu quero dizer isso. Não há nada de diferente nas minhas coisas, ou na verdade, é tudo igual para você e para mim!

Houve relatos conflitantes sobre o humbucker na Frankenstrat original, você poderia esclarecer de que guitarra veio?

“Sim, é de uma Gibson ES-335. Na verdade, se eu tivesse meu celular aqui, eu te mostraria uma foto minha tocando aquela guitarra. Alguém acabou de me enviar, é a única foto que tenho de mim mesmo tocando.

“Eu a pintei de branco porque, é claro, eu a fodi com isso, também! Mas sim, eu puxei tudo para fora dela, foi um pé no saco! Eu tirei o captador da ponte e foi muito difícil. Eu quero dizer… Eu praticamente destruí aquela guitarra porque você tinha os f-holes para chegar à eletrônica. Cara! Eu só puxei as coisas para fora e uma vez que eu tenho o captador para fora eu disse ‘Foda-se este guitarra!'”

Nunca mais colocou as coisas de volta…

“Não!”

E quando você fez o acabamento com fita, isso foi apenas mais uma solução para um problema?

“Não foi um acabamento de fita, eu usei fita adesiva para pintá-lo dessa forma. Não faço ideia do que me deu para fazer isso! Gostei de ter feito, mas é uma daquelas coisas que eu não faço a menor ideia! E agora tenho uma marca registrada nela. Mas, ao mesmo tempo, é como no caso dos captadores, mergulhando-o em cera quente para, com sorte, parar o feedback. Não faço ideia, ninguém me falou sobre isso, apenas as ideias vêm.

“Eu só tive essa ideia maluca de que talvez os enrolamentos da bobina vibrando causavam aqueles apitos. Não é um feedback controlado, era alto, uma verdadeira merda desagradável. O trabalho de pintura e a cera quente no captador, eu não tenho a porra de nenhuma idéia de onde essas ideias vieram! Tudo o que eu fiz naquela época não foi intencional, ou foi o resultado de um erro feliz.

Você está tecnicamente preocupado com outras coisas fora das guitarras?

“Computadores? Não! Temos um sistema Pro Tools no estúdio, mas ainda uso as máquinas de fita. Até as máquinas de fita são muito difíceis para mim! O console é muito grande. Muitos botões, sabe?

“A única coisa que eu realmente uso no console são os faders. Eu deixo tudo flat, porque se você não está recebendo o verdadeiro som do seu instrumento, então qual é o ponto? Se você começar a colocar muita equalização para gravar, então você começa a ter problemas.”

Isso se estende ao posicionamento do microfone? Você acertou no amplificador primeiro?

“Sim, principalmente, melhor fazer soar bem no amplificador antes de tudo.”

Você foi um dos primeiros guitarristas a usar a Floyd Rose, como foi e quando você foi apresentado pela primeira vez a ele?

“Ok, esta é uma história engraçada, de verdade. Três turnês seguidas, toda vez que tocávamos em Seattle, não me lembro se era 79, 80 e 81, tinha que ser 79 porque eu nunca tinha instalado na guitarra preto e branco. Então, em 1979, alguém diz: “Ei, tem um cara aqui chamado Floyd Rose e ele quer te mostrar algo”.

“Ele entra com algo entre as mãos, ‘Você quer testar isso?’ e eu digo: ‘Claro, por que não!?’ Então eu dei a ele uma das minhas guitarras e pedi para ele colocá-la porque eu não sabia como fazer. Era diferente da peça da fender e não era uma troca simples.

“Então eu testei, uma vez que ela estava pronta para tocar e … Foi um pé no saco! Primeiro, os parafusos allen dos pivôs eram muito pequenos, e no fim do aperto você tira a chave allen e o parafuso estava espanado. Mas o mais importante, quando você está tocando guitarra, as coisas se modificam e elas se movem e o braço muda um pouco.

“Dependendo da temperatura do show do início ao fim, a temperatura modifica. Então, entre cada música que eu tive que ajustar e afinar! E então Dave e o resto dos caras falavam: ” você está pronto?” Foi só um pé no saco. Então, primeiro eu disse a ele, ‘reforce essa coisa direito!’ porque essa merda está quebrando.

“Então ele volta no ano seguinte com um modelo reforçado. Mas ainda havia o problema de ter que afinar entre cada música, então eu disse a ele: ‘Coloque alguns micro-afinadores nela. Toquei violoncelo e violino quando estava no ensino fundamental e esses instrumentos têm micro-afinadores. Ok? Então foi isso que eu quis dizer.

“Então no terceiro ano ele vem com algo entre as mãos ‘Eu fiz isso!’ e eu digo ‘Não! Você trouxe uma porra de trava de nut ! Porque agora você precisava de uma chave allen maior para ajustá-la! Então, agora, em vez de seis, você tem nove, parafusos sabe? Eu digo ‘Não, idiota, eu quis dizer a porra dos micro-afinadores na ponte! Você já os viu antes! Então ele patenteia essa ideia sem me avisar. Me irritou… enfim!

Você sempre teve o seu jogo de Floyd Rose sem um “back box”?

“Tudo colado no corpo. Tudo precisa estar conectado. Gosto dos meus gabinetes sobre  a madeira, não em rodas. Tudo precisa estar solidamente conectado. Quanto mais conexão, mais sustentação e ressonância.”

Você poderia explicar por que a Wolfgang tem a chave seletora de três posições invertida ?

“Pra mim tem que ser dessa forma! Quando uso minha mão direita na escala, se estiver ligada do outro jeito, eu sempre a bato nela. Então é por necessidade, as americanas são como as minhas, mas as Especial são como uma Les Paul. Mas você pode facilmente mudar isso em ambos os modelos, foi o que eu fiz, apenas inverti porque eu continuei batendo nela.

Você parece estar preferindo a Wolfgang nos últimos anos, você poderia nos mostrar algumas de suas características favoritas sobre ela?

“Bem, é a melhor guitarra para mim. Tudo, desde a de 12 cordas a qual tirei as seis cordas, até a Frankenstein, até tudo o mais que quebrei ou reconstruí, esta é a guitarra final, que continuamos a melhorar. Como aquele pot de baixo atrito, nós acabamos de adicioná-lo há um ano. Nós a atualizamos para trastes de aço inoxidável para que eles não se desgastem. Estamos sempre fazendo alguma coisa. Como Matt diria: “Construindo uma ratoeira melhor”.

“Eu toquei uma Special durante a última turnê. Eu alternei entre a Special e a guitarra principal. Eu realmente preferia a principal por causa do captador do braço. Acontece que no registro eu usei a Special e acabei gostando mais do captador do braço dela. E ainda estamos ajustando isso. Na semana passada, estávamos mexendo com diferentes tipos de ímãs para fazer a guitarra soar ainda melhor.”

Isso vem de um lugar onde você vive com algo por um tempo e então seus gostos mudam?

“É uma evolução natural. Odeio dizer isso, porque não se aplica a tudo, como minha esposa ou algo assim, mas… Tudo baseado em guitarra! (risos) Não é necessariamente que eu me canso disso, mas depois de um tempo você diz “Ei, isso poderia ser um pouco melhor, eu gostaria um pouco mais disso ou aquilo”.

“Como a diferença entre o 5150 III e o II. Eu não gostei do fato, mesmo que muitas pessoas gostem, que no 5150 III o segundo canal tem uma qualidade tonal diferente para o terceiro canal. Quero que sejam idênticos em resposta e qualidade. O mesmo som.

“Então, quando você está de frente e não olha para qual canal você está, você não pode dizer, exceto que um é apenas overdrive para solo um pouco mais alto e o outro é ritmo para que você possa ter sua guitarra cheia e isso não vai deixa-lo louco com um feedback incontrolável. Mas sim, nós apenas continuamos a, na minha mente, evoluir, mudar e melhorar, e por sua vez dar aos guitarristas um produto melhor. É uma coisa contínua.

Quando você projetou o 5150 pela primeira vez, você estava consciente do fato de que você estava criando algo que se tornaria uma referência em timbres de guitarra pesados?

“Eu não tinha ideia. Eu só queria algo que eu gostasse. Eu só queria um amplificador de alto ganho que não iria explodir!

Como se sente, você está obviamente acostumado a ser emulado, mas ainda assim!

“Sim, eu acho que é uma sensação maravilhosa que as pessoas gostam das coisas que projetamos. Mas mesmo que não gostassem, eu ainda o usaria! Porque, na verdade, essa é a proposta. Eu tenho que gostar, caso contrário, ele não sai.

Ouvimos uma história interessante sobre você testar o 5150 III com feedback…

“Ah sim! Deixei-o soando com feedback por um mês inteiro! E então eu pluguei um baixo através dele e deixei por mais um mês soando, porque eu queria uma frequência muito baixa para ver quanto o amplificador e o gabinete iria aguentar. Eu testei diferentes frequências de feedback, muito altas, ou bem graves, uma vez que eu tenho a nota que eu queria que ele desse o feedback, e eu apenas deixava.

“Eu nunca vou esquecer, tivemos uma reunião com o pessoal da Fender para falar sobre algo, e estamos subindo a colina até o estúdio aqui e eles ouvem isso, ‘Ooooh’. Então abrimos a porta e é ‘OOOOOH’ então abrimos outra porta e ela está gritando!

“E todos eles disseram ‘O que diabos você está fazendo?’ e eu falei ‘Eu estou testando o amplificador!’ Não gosto que as coisas explodam. Então eu o levo em turnê por um ciclo inteiro antes de ser lançado ao público. Nada sai até que eu tenha totalmente testado em sem acidentes.”

Então, quebrou?

“Não, ele aguentou!”

Esperava secretamente que fosse capaz de destruí-lo?

“Não, não! Mesmo quando eu estava com a Peavey, guitarras aparecendo nas lojas ou até mesmo para mim com braços soltos ou isso e aqui. Então eu fui para Peavey e disse, “Me dê uma Wolfgang” e eu desmontei toda a porra da guitarra, bem ali, na reunião do conselho com Hartley Peavey sentado lá, o dono da empresa.

“Eu tirei o braço, tirei os captadores, tirei tudo, depois coloquei de volta. Do jeito que eu faria. Então peguei a guitarra, joguei na porra da sala e ela caiu no chão. Eu digo, “Vá buscá-la”. O cara pegou, e estava perfeitamente afinada, porque as cordas estavam esticadas corretamente, o braço estava apertado, tudo era como deveria ser.

“Eu só olhei para eles e disse: ‘Agora me diga que é por causa do transporte! Não é a porra do transporte, vocês simplesmente não estão configurando-as direito! Atenção aos detalhes. Isso explodiu a porra das mentes deles.

Você parece muito consciente do fato de que é o seu nome no equipamento…

“Sim, bom, eu não estou endossando um produto; É meu produto, sabe? É definitivamente um esforço de equipe, eu não poderia fazê-lo sozinho. Mas é uma marca, é nossa empresa, por assim dizer. A única variável ou possível coisa sobre a que não temos controle são as válvulas.

“Como na última turnê em que danificou um head uma vez porque tinha uma válvula ruim. Mas você sabe, você tem um pneu ruim em um carro ou o que seja. Nós não fazemos válvulas. Se fizéssemos válvulas EVH, elas não explodiriam! [Risos]”

Você mencionou um Lunchbox mais cedo. É um amplificador pequeno, mas tem o seu som.

“Sim, e esse é o ponto. É um amplificador de 15 watts, e ele grita. Quero dizer, você poderia tocar no Fórum de Los Angeles com esse amplificador. Tem uma chave que derruba sua potência, usamos EL84s nele, são ótimas válvulas. Soa como um 5150.

Foi um desafio conseguir esse timbre em baixo volume?

“Tudo é um desafio, basicamente. Quando tivermos a idéia de que eles o construíssem, eles me enviam e então eu sugiro mudanças e é um vai e volta até que esteja certo. Por exemplo os captadores da Wolfgang, tivemos duas empresas para cada uma construir para nós 40 pares de captadores. Então tivemos 80 pares, e eu não gostei de nenhum deles!

“Então eu pergunto a Fender: ‘Quem faz os seus captadores?’ Eles dizem, “Bem, nós fazemos eles em nossa fábrica”. Então eu digo, “Bem, vamos construir meu captador na fábrica”. Primeira vez, primeira tentativa, boom! Isso é o que eu quero! Porque eles ouviram.

“As outras empresas, eu não sei, eu acho que eles apenas me deram algo que eles já tinham para que eles pudessem dizer: ‘Ei, Eddie Van Halen usa esse modelo’. Quero dizer, não era o ponto, eu teria usado qualquer coisa se soasse do jeito que eu queria, mas não aconteceu.

A chave de corte de energia é uma espécie de continuação de toda a idéia Variac?

“Sim! E na versão combo do 5150 III ele tem uma chave que faz a mesma coisa. É um circuito diferente, mas é a mesma premissa, então isso é realmente mais como um Variac.”

Você poderia imaginar como teria sido ter tido isso em seus primeiros dias?

“Oh cara! Mas essas coisas acontecem por uma razão, eu acho…”

O Lunchbox também tem um monte de recursos sobre ele em comparação com um monte de amplificadores de baixa potência. Era importante manter características como EQ completo, o loop de efeitos, e assim por diante?

“Ah definitivamente. Nossa missão é construir o melhor… Tudo. Seja o que for que nos aproximamos, é melhor que seja melhor do que a nossa concorrência.”

E você incluiu controles de ressonância e presença lá. Você acha que isso muitas vezes é mal compreendido, às vezes esquecido pelos guitarristas?

“Bom, você não deve ter medo de girar os botões, você sabe! Essa é a minha filosofia. Eu sei que é um coisa meio louca, mas eu jogo tudo no máximo no 15. Ao ponto de ficar muito feio, e então eu recuá-lo até o ponto onde a feiura vai embora. Isso normalmente acaba quando recuo um pouco abaixo do máximo por volta de 14, 13!”

Mais de 11?!

“Sim! E então continuamos a empurrar. Assim como o canal burn no 5150 IIIS é mais quente que o 5150 III. É como um carro de corrida, todo ano você tem que ser mais rápido. É interminável.”

Parece que você nunca vai parar de procurar melhorias no som…

“É apenas inatamente parte do meu DNA, você sabe? É quem eu sou. Eu gosto que as pessoas sejam capazes de pegar uma Wolfgang e um 5150 e não ter que brigar para obter um som. Quero dizer, eu vejo tantas pessoas que usam amplificador e eles não têm idéia de como sequer deixar um som definido. E com um 5150 III, quase não importa onde você o colocou, vai soar bem. Basta aumentar o volume, e não é difícil.

“Tirar um som ruim de um 5150 é muito difícil. Conheço tantos engenheiros que têm um 5150 III em seu estúdio, porque eles re-amplificam. Quando o guitarrista sai eles ligam tudo de volta através de um 5150 III e o cara volta no dia seguinte e diz: ‘O que você fez homem? Parece ótimo!'”

Finalmente, você tem algum conselho para aspirantes a guitarristas?

“Obviamente, aproveite para fazer o que está fazendo. Resumindo, você tem que amar o que está fazendo. Não há regras. Eu acho engraçado quando as pessoas fazem todas essas aulas de teoria musical, é exatamente isso. É a teoria. Você sabe? Você tem 12 notas, a 13ª é a oitava, faça o que quiser com elas. É muito simples. Não há erros: eu chamo essas de notas de passagem! [risos]

Fonte: Revista Total Guitar

Leia mais: Em suas redes sociais guitarristas do mundo todo prestam homenagens a Eddie Van Halen.

Leia ainda mais: Morre de câncer, aos 65 anos, Eddie Van Halen

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira seu comentário!
Por favor insira o seu nome aqui