Os 20 melhores momentos da guitarra de BB King

0
795
Foto antiga de B.B. King solando

Cinco anos após da morte do Rei do Blues (2015), um novo filme com Wendell Pierce como BB King está em fase de produção.

Vamos lembrar de 20 de seus grandes momentos na guitarra???

Desde seu época em trabalhava numa plantação de algodão no Mississipi em 1925 até dueto na Casa Branca com o presidente Obama em 2012, BB King certamente testemunhou algumas mudanças em sua vida. Mas uma coisa que permaneceu em grande parte sem mudanças durante seus mais de 70 anos como intérprete – uma carreira que o viu lançar 59 álbuns, 138 singles e ganhar inúmeros prêmios (entre eles 18 Grammys) – foi a essência de sua música.

Se o objetivo final de quem pega uma guitarra é a auto expressão, então BB King está entre um grupo muito seleto de músicos de elite que, através de incontáveis horas de trabalho, não só aperfeiçoou a arte, mas cavou cada vez mais fundo sem sentir a necessidade de reinvenção.

Eric Clapton disse sobre ele: “O caráter de qualquer grande músico é geralmente identificável pela individualidade de seu vibrato. A maioria dos jogadores são reconhecíveis por essa faceta particular de seus jogos… Eu posso dizer sibre BB King com apenas uma nota – a maioria de nós pode, eu acho”. Carlos Santana ecoou o sentimento: “Eu posso ouvir BB King com o som desligado na TV, apenas olhando para seu rosto.” Buddy Guy resumiu: “A maneira como BB King fez isso é a maneira como todos nós fazemos isso agora.”

Dinâmica, fraseado, tempo, improvisação, pontas de acordes, vibrato… O jogo único do BB King influenciou inúmeros jogadores e, em seus detalhes mais finos, ainda tem inúmeras lições para guitarristas. Mas o mais importante é, infelizmente, o menos frequentemente atenção: “Notas valem muito”, disse King uma vez. Gaste-as sabiamente.

Nosso resumo de meros 20 dos maiores momentos de guitarra do BB King só arranha a superfície de um catálogo exaustivo de tocar; cada entrada tem como objetivo mostrar uma faceta diferente de por que o jogo do Rei do Blues sempre terá o poder de excitar e encantar os guitarristas, independentemente do gênero e estilo musical.

20. Lucille

A faixa título deste álbum de 1968 mostra BB King finalmente colocando em registro musical o que sua amada guitarra – ou na verdade uma sucessão de guitarras da família ES, todas com o mesmo apelido – significa para ele.

Cada música dele está em primeiro plano e isso é um aspecto de sua musicalidade, e sobre este blues de palavras faladas descontraído, é o quão entrelaçada sua voz e guitarra são.

Misturado com o tom cristalino de King na frente, em vez da vitrine forçada de lambidas extravagantes que 99% dos outros jogadores teriam se entregado – embora haja algumas escolhas “jazzy” acenos aqui e ali e uma baita “masterclass” na abordagem do nosso bluesman para os “bends” – a contribuição de Lucille aqui é a do sempre fiel companheiro, ronronando como um gatinho por toda parte.

Você sabia?

A sensação da música foi capturada quando o produtor Bob Thiele gravou a fita enquanto B.B. contava a história de sua guitarra: “Ele estava contando algumas coisas e começou a me contar sobre a história de Lucille. Peguei o gravador, sinalizei o produtor e o joguei ao vivo”

19. The Blues Ain’t Nothing But A Woman Crying For Her Man (Live In Japan)

Dois titãs musicais pelo preço de uma nesta aparição de 1990 no Japão, que apresenta Ray Charles, BB King e uma ‘Super Band’ estabelecendo um final para uma noite perfeitamente trabalhado.

King assume os holofotes deixando rasgar ´When I Get The Blues I Sit In My Rockin’ com uma série de improvisações em cascata de jazz que não só mostram sua capacidade de transformar seu estilo para a ocasião, mas também oferecem um vislumbre estendido da sofisticação em suas escolhas de notas que ele faria alusão ao longo de sua carreira.

Você sabia?

Charles e King frequentemente compartilhavam o palco durante suas carreiras; era fácil ouvi-los juntos no estúdio, ouvir a interferência emotiva em Sinner’s Prayer no último álbum de estúdio de Charles antes de sua morte em 2004, Genius Loves Company.

18. Instrumental (Live In Estocolmo Konserthus)

Com um minuto de encantadora, mas amido retrospectivo entrevista antes da ação, este clipe do concerto sueco em 1974 é uma obrigação absoluta para uma apreciação do que fez BB King tocar tão atemporal.

Ao longo de um solo estendido de três minutos, ele cria o humor variando a dinâmica de seu solo de terno para estridente, controlando perfeitamente o acompanhamento da banda através das nuances de sua reprodução e através de gestos sutis: em um ponto, ele inesperadamente silencia-los, embarca em uma exploração jazzística impressionante, em seguida, muda suavemente a chave, aparentemente aleatoriamente, antes que eles voltem sem perder um truque.

A reprodução dinâmica e a telepatia musical com seus colegas músicos são duas qualidades que BB entendeu melhor do que talvez qualquer outro jogador de blues antes ou depois – e está tudo aqui.

Você sabia?

Às 7 minutos deste workshop, King explica como tocar com definição sua música e com bastante “sustain” em suas frases

17. Japanese Boogie

Um viajante incansável, King encontrou tempo em sua agenda agitada para gravar três álbuns em 1971, ao mesmo tempo em que capitalizou o auge em sua popularidade – o implacável Live At Cook County JailB.B. King In London (infelizmente sem brilho, apesar de seu elenco estelar de músicos) e Live In Japan, gravado no Sankei Hall de Tóquio – de onde apresenta um ardente e melodioso som. É um instrumental de nove minutos que começa com uma tomada de uma única corda na pegada de Chuck Berry antes de passar a maior parte do resto da música na chamada “BB Box”: tem uma área do braço da guitarra com o nome, assim batizado, em que BB passou bastante tempo, e este instrumental pisando, com seu solo de guitarra e o piano intercalados, mostrando a criatividade interminável que King poderia colocar para fora na posição do braço em que ele alegou como apenas seu.

Você sabia?

Não é tudo por causa do BB – há até mesmo um solo de baixo com distorção, cortesia do King’s erstwhile low, Wilbert Freeman.

16. Goin’ South (Calypso Blues)

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here